24 outubro 2006

Escritor, demasiado escritor


Dia 26, em Lisboa, será apresentado o novo romance de António Lobo Antunes: "Ontem não te vi em Babilónia".
Quanto mais leio mais gosto de Lobo Antunes. Gosto do seu feitio irascível e da sua clausura. Gosto das correcções sucessivas que adiam a publicação dos livros que escreve - aliás, ele costuma dizer que escreve um livro para corrigir o anterior. Gosto de Lobo Antunes por ser um escritor; não um escritor político ou um político escritor mas simplesmente um escritor. Não se considera consciência de nada nem voz de nenhum grupo oprimido. Não faz propaganda política, nem cultural, nem social.
Cada ano que passa faz crescer em mim a certeza de que nunca ganhará o Nobel. Lobo Antunes é escritor, demasiado escritor. E ainda bem.

NAP

4 Comments:

At 24 outubro, 2006 17:57, Anonymous Anónimo said...

Este senhor Nap,em cada post que publica,esconde-se sempre em subterfúgios e meias frases.
Vejam: "Gosto de Lobo Antunes por ser um escritor; não um escritor político ou um político escritor mas simplesmente um escritor. Não se considera consciência de nada nem voz de nenhum grupo oprimido. Não faz propaganda política, nem cultural, nem social.
Cada ano que passa faz crescer em mim a certeza de que nunca ganhará o Nobel. Lobo Antunes é escritor, demasiado escritor. E ainda bem."

Ora aqui está o drama da maioria dos leitores de Lobo Antunes (apesar de eu também o ser,não sofro deste prurido):detestam Saramago,não podem com ele,já que representa um comuna inveterado!)
E o Nobel?Meu Deus,como foi possível ser atríbuido a um indivíduo que não é doutor nem douturado e não a um neuro cirurgião?Um simples marceneiro,oriundo da Azinhaga do Ribatejo!
Ainda bem que o mundo julga que este é Espanhol!
Saramago não necessitava de ter sido laureado com qualquer prémio para ser quem é:um homem de corpo inteiro,capaz de bradar bem alto perante as injustiças!
Para o senhor NAP,um adepto do fim dos ideais, porque "já não há pachorra", é extremamente difícil alcançar como é que alguém pode ser tão "reaccionário".
É por essas e por outras que você é um desprezivel neutral encapuçado de ultra conservador.

p.s. um homem que não aborde o mundo em que vive não passa de uma pedra falante.Já agora,tente ler um bocadinho de Saramago...tente,vá lá,não custa nada.

 
At 24 outubro, 2006 22:16, Anonymous Anónimo said...

Visito este blog com alguma regularidade e também eu começo a achar que existe uma clara perseguição aos que, através dos seus posts, aqui se expõem.

Pode ser só impressão minha, mas… neste post o senhor NAP diz, em algum momento, que não gosta de José Saramago? Por mero acaso, tece qualquer tipo de consideração ao respectivo escritor? Em algum outro momento, neste espaço, disse algo semelhante?
Não, não e não!

Este post é única e exclusivamente sobre Lobo Antunes. O senhor NAP revela a publicação de mais um romance de um escritor da sua preferência, explica a sua admiração pela sua obra e lamenta que este não tenha sido ainda premiado com o Nobel.

Acho que anda alguém a deturpar o que é escrito, a argumentar contra essa mesma deturpação e, o pior de tudo, a insultar para fazer prevalecer as suas ideias, sem aceitar as críticas de outros…

VMV

 
At 25 outubro, 2006 10:45, Anonymous Olivia Santos said...

Eu também não li em nenhum lado que NAP não gostasse de Saramago. O post é claramente sobre Saramago.

E isto de insultar pessoas anonimamente é uma cobardia brutal. Caro anónimo, este blog é de livre expressão, mas tenha o decoro e o bom senso de não distorcer os comentários das outras pessoas.
Opine, exprima-se, debata opiniões, mas não insulte quem por aqui passa.
E deixe-me só acrescentar uma coisa: quem lhe disse que os escritores têm de seguir ideais ou "bradar bem alto perante as injustiças"?

 
At 25 outubro, 2006 13:44, Anonymous MM said...

Num tempo em que, citando o meu electricista - Sr.Gaspar - o povo só quer saber de "sopinha e missinha" haver ainda quem dê o seu tempo a "calhamaços" não técnicos é excelente.
Ao NAP, solidariamente, relembro as palavras do Joao César Monteiro quando confrontado com os critícos do "Branca-de-Neve": - "Vão para o caralho que os foda!"

 

Enviar um comentário

<< Home