29 dezembro 2004

A.A.U.M.


Estreio-me nestas lides blogosféricas com um tema que me parece ser da maior importância e que requer a maior das atenções por parte dos alunos da UM.

Pretendendo não ferir susceptibilidades (até porque tenho amigos e conhecidos que fazem parte da direcção da AAUM), proponho a todos os leitores uma análise detalhada e objectiva da actividade da nossa mui nobre Associação de Estudantes.

Em 1º lugar, e porque é justo dize-lo, deixem-me prestar uma homenagem pela excelente organização de eventos como o Enterro da Gata, a Gata na Praia, a Gata na Neve, e uma série de outros da mesma espécie, digamos assim. Fico-me por aqui em relação aos elogios, até porque estes eventos, embora sejam importantes e até mesmo indispensáveis, não são com certeza o escopo fundamental de uma associação de estudantes, pelo menos na minha perspectiva (sê-lo-ia no caso de uma associação de carácter lúdico).

Passemos então para o lado negro da questão. Do meu ponto de vista, uma associação como a AAUM deve promover os interesses dos estudantes através de uma árdua e contínua luta pelo enriquecimento cultural, científico e pedagógico de toda a academia, mas de uma forma ordeira, pensada e sistemática. Ora, temos todos assistido exactamente ao contrário. Fundada em argumentos lógicos (ou não), vemos a associação incitar “à luta”, através de manifestações e encerramentos a cadeado da Universidade, sem antes pensar em alternativas, novas soluções, e com uma falta de originalidade confrangedora. Aquela que devia ser a ultima ratio da luta académica é transformada na prima ratio. Fosse só este o problema, e não estaríamos mal... Nota-se claramente que há uma dança de cadeiras no seio da direcção, mas no fundo estão lá sempre os mesmos! É preciso mudar (não necessariamente com a recente pseudo lista B)! Por outro lado, a quantidade exorbitante de colaboradores que, quais parasitas, por lá gravitam, à procura de um bilhete grátis para o Enterro da Gata, de um jantarzinho “à pala”, de uma viagem na carrinha da associação (quem sabe para um Festival de Verão...), enfim, de um tacho qualquer, é inexplicável! Isto para não falar em determinadas despesas muito mal explicadas... É preciso um maior profissionalismo e rigor, sob pena de afastar definitivamente os estudantes dos verdadeiros debates indispensáveis ao futuro da UM!

Bem sei que este é um problema transversal de todo o associativismo no nosso país; penso, no entanto, que nunca é tarde para o explorarmos e o tentarmos resolver sem demagogias, mas com vitalidade e, principalmente, com seriedade, que é coisa que tem faltado por estes dias...

PIZUNI

14 Comments:

At 29 dezembro, 2004 13:21, Blogger AgoraEu said...

Em cheio!
Parabéns.
Comentarei mais tarde mas fica desde já o apreço pela coragem de avançar com o tema.

 
At 29 dezembro, 2004 16:26, Anonymous Anónimo said...

Em primeiro lugar, parabéns pela iniciativa de trazer este tema à discussão.
Em segundo, não precisamos de ir tão "a cima", ou seja, se começarmos por olhar para a lista actual da AEDUM verificamos que grande parte dos cargos não são mais que meros "tachos". Se repararmos cada um dos departamentos tem 4/5 pessoas (o que no total dá uma soma considerável de pessoas!!!)... qual a necessidade, pergunto eu???? como diz o teu (e permite tratar-te assim)post, uns jantares "à pala", uma épocas especiais para fazer exames, desculpas e descontos para os mais variados assuntos. Se assim é numa associação em que o volume de capital disponivel é quase irrisório quando comparado com o da AAUM, facilmente nos apercebemos da quantidade de pessoas que aprovam esse comportamento dúbio (sendo que desonesto, seria o termo mais correcto, na minha opinião!!!!)
Com os melhores cumprimentos, CM

 
At 29 dezembro, 2004 22:05, Anonymous Anónimo said...

Caro Pizuni,

Permite-me que subscreva por completo as tuas palavras. Se a imaginação dos alunos universitários servisse para algo mais que inventar temas para festas, talvez as lutas académicas ganhassem mais respeito.
A meu ver, o mais grave de tudo, é que os jovens dirigentes associativos de hoje, serão os políticos do amanhã... E se a coisa já vai mal quando a procissão ainda vai no adro, nem quero imaginar como será depois! Os "tachos" que se criam nas associações académicas, serão criados nos partidos, nas instituições públicas e por aí adiante...
É preciso pensar em educarmo-nos a nós próprios... Quem sabe se uma boa luta académica não será essa de tentar (tudo começa por aí, pelo tentar) fazer das associações estudantis, associações com algum profissionalismo e rigor?
Olívia Santos

 
At 30 dezembro, 2004 11:54, Anonymous Anónimo said...

Em primeiro lugar queria felicitar o autor do post pela escolha do tema. Em segundo queria dizer que concordo com o que foi dito,já que acho que efectivamente estas últimas direcções têm deixado muito a desejar e primam como foi dito pelas festas e afins em vez de primarem pelas razões para que efectivamente foram eleitos.(esquecendo por vezes que estão lá não para se auto-promoverem nas juventudes partidárias,etc...mas que estão lá para trabalhar nos interesses de todos os alunos que afinal eles representam).
Quanto a uma das respostas ao post assinado por um ou uma "CM" queria também fazer algumas considerações: equiparar a AAUM à AEDUM vais ter que me desculpar, mas não foi muito feliz.Primeiro como é que podes criticar uma Direcção que ainda agora tomou posse?(ao contrário da AAUM que apesar de mudarem os nomes são os mesmos já à algum tempo).Segundo lamento dizer-te que tás muito mal informado já que os colaboradores da AEDUM não têm direito ao estatuto de dirigente associativo.Terceiro eu percebi que para ti deve ser dificil imaginar que é possivel que um grupo de pessoas que se candidate à direcção de uma Associação vai mesmo com o intuito de trabalhar e de representar convenientemente os seus associados, neste caso os alunos de Direito,mas espera e pode ser que as pessoas que tu dizes estarem na AEDUM pelos "tachos" estejam lá para trabalhar e para ajudarem a Associação e o Curso a crescerem.
Pensa nisso...
MR

 
At 30 dezembro, 2004 17:08, Anonymous Anónimo said...

Caro(a) CM, compreendo que fales em tachos e interesses quando falas de uma estrutura como a AAUM, pois desde o meu ano de caloiro que as pessoas são as mesmas mas em cargos diferentes, e é do conhecimento da massa estudantil em geral de casos de apropriação indevida de dinheiros da associação para repastos e festas dignas desse grande vulto mitológico de nome Baco (casos relatados por fontes próximas de elementos da AAUM).Compreendo, e até eu gostava de te poder dar informações concretas acerca deste assunto, mas o que eu sei são meros boatos, especulações, que, aqui entre nós, me parecem bastante próximas da realidade. Infelizmente nada te posso afirmar tal e qual a um dogma católico, pois, tal como disse, a mim só me chegam boatos que anseio em descobrir o seu fundamento.
Mas o que me levou mesmo a tecer aqui este pequeno comentário que já se torna longo foi a facilidade com que tu apontaste baterias em direcção à AEDUM. Vens dizer, sem conhecimento de causa, que os membros da actual direcção e seus respectivos acessores são um grupo de parasitas que tem por objectivo satisfazer alguns dos seus interesses pessoais, tais como o de obter o tão almejado estatuto de dirigente associativo!! Assim que li esse comentário, fiquei moralmente obrigado de te esclarecer que esse estatuto não é adquirido como quem vai à mercearia comprar gomas a avulso, e, desde já, posso te dizer que não é esse o objectivo dos actuais membros da AEDUM.Se não for para adquirir o estatuto de de dirigente associativo, será para usufruir de outras quaisquer regalias que ser membro da associação lhes possa trazer? Também não me parece. Posso te dizer, antes, que quem se lançou neste projecto foi um grupo de estudantes que, mais por carolice que por reconhecimento individual ou algum benefício pecuniário ou de outra natureza qualquer, se decidiu juntar para unir os seus esforços em prol do reconhecimento da licenciatura e da defesa dos interesses dos estudantes de Direito.
Comentários deste calibre não servem para tentar melhorar a imagem desta associação, pois não se trata de uma crítica construtiva, mas servem antes para tentar derrubar uma equipa que ainda não teve tempo para mostrar obra feita, fazendo alusão a hipotéticos comportamentos que os membros da equipa que coordena a AEDUM possam vir a ter.
Não sendo dirigido a ninguém em especial, mas a vários que decidiram deixar neste blog o seu comentário sobre variados assuntos e que, provavelmente poderão vir a ler o meu comentário, gostava de dizer que a maior armadilha da ignorância é levar-nos a falar daquilo que não sabemos.

JAMC

PS: desculpem se algumas das minhas frases possam estar feridas de ironia ou de qualquer outro modo de expressão jocoso, pois não é essa a melhor maneira de, na minha opinião, transmitir ideias e opiniões. Infelizmente, de quando em vez, a emoção do momento leva-nos a fazer aquilo que menos gostamos...

 
At 30 dezembro, 2004 21:43, Blogger AgoraEu said...

"Fico-me por aqui em relação aos elogios, até porque estes eventos, embora sejam importantes e até mesmo indispensáveis, não são com certeza o escopo fundamental de uma associação de estudantes, pelo menos na minha perspectiva (sê-lo-ia no caso de uma associação de carácter lúdico)" - PIZUNI

De acordo!
As reacções de JAMC (em causa própria!?) denotam a indignação de quem não está seguro nos seus propósitos.
Percebe-se o voluntarismo e aceita-se a carolice. Não se pretende "condenar" quem ainda não teve tempo de mostrar obra!
O que se pretende é alertar para o que deveremos esperar daqueles que no passado recente "mostraram tão pouco".
De acordo!
Todos queremos uma academia forte mas...
Que ideias-força apresentaram?
Que objectivos para a Escola de Direito?
Vamos esperar um relatório de actividades com "Ligas de Futebol" e outras iniciativas do género?
A Semana de Direito parece uma obrigação de calendário que não aparenta ter força mobilizadora entre os estudantes de Direito.
CM não apelidou de parasitas os assessores da AEDUM eleita e por isso não merece o ataque.
Refere e muito bem que é "muita parra e pouca uva".
Façam a análise dos resultados da eleição (votantes na lista) e confrontem-nos com o número de membros eleitos e concluirão (??) da capacidade mobilizadora face aos cerca de MIL ALUNOS inscritos em Direito.
Dá que pensar.

 
At 30 dezembro, 2004 22:55, Anonymous Anónimo said...

Engraçado é que tanta gente fale sem base de conhecimento sobre o que se passa dentro da A.A.U.M. Concordo plenamente com o comentario do Pizuni quando se refere ao facto de a A.A.U.M. poder fazer mais pelos estudantes.. pode sempre mais, e no nosso caso, mt, mt mais! Mas usar criticas, usando exemplos especificos, que toda a gente aparenta conhecer e saber perfeitamente, e aqui diz "muito bem", "é bem verdade", parece me um descuido de tanta gente que chama atenção à crítica fácil e ao se deixar levar pelo que os outros dizem, nomeadamente em post's sobre o Dr. Mario Soares e outros.. Esses jantares que todos parecem conhecer e reconhecer, terão sido no recanto duma cave ou todos os que aqui postaram foram testemunhas de tamanha festança? Porque se foram, vergonha para quem vê e se cala crítica sem agir, se não foram e criticam por um "diz que disse", então vergonha por não saberem o que dizem.. Porque meus amigos, os problemas não estão nos jantares, que em verdade vos digo, a existirem, a nossa associação não estará nos primeiros lugares, nem lá perto, do ranking nacional.. Tenho conhecimento de jantares em que os "colaboradores parasitas" realmente participam porque acompanham à mesa quem acompanharam durante o dia inteiro: Os convidados da nossa Universidade, uma vez que, obviamente, como ninguem lhes paga para estarem o dia inteiro incumbidos dessa tarefa, também não são obrigados a pagar a refeição do restaurante endereçado para os convidados sendo também uma óbvia falta de cortesia deixá-los a jantar sozinhos (se for essa a solução proposta para evitar tais gastos). Em relação a festas, contra argumentos uso factos, e facto é que dos 16 "colaboradores parasitas" que ajudaram e trabalharam na "construção" do recinto da Recepção ao Caloiro, apenas 6 tiveram direito a bilhete gratuito, sendo previamente avisados dessa medida por parte da Associação, o mesmo acontecendo com membros de Tunas e membros da ARCUM que usavam e abusavam dessa situação para pedir inúmeros bilhetes à A.A.U.M. Foram medidas muito impopulares, que ninguém comentou ou aplaudiu e estranhamente passou ao lado de quem tanto crítica.. Quero por último dizer que estou em diversos pontos de acordo com Pizuni, mas quando vejo tanta gente dizer que o problema é esse, que está tudo muito mal, mas que não apresenta factos, nem age de modo a alterar algo, fico um pouco desiludido com a "artilharia" crítica que aqui se apresenta..
Quando à AEDUM, considerando também eu o número exageradamente elevado de membros (que dão a sensação de não ser mais que um conjunto de amigos que se juntou para a ocasião) dou-lhes o beneficio que dei a este governo que vai agora cessar funções.. Espero que me engane e me surpreenda não seguindo o exemplo do outro..

 
At 31 dezembro, 2004 01:13, Anonymous Anónimo said...

Agora Eu, a minha reação não é a reacção de alguém que não está seguro dos seus propósitos, é antes a reacção de alguém que não gosta de ver posta em causa a boa vontade e a entrega das pessoas.
Tens razão quando falas da reduzida participação dos alunos nas actividades da associação, esta deve-se, em grande parte, a uma pouca divulgação das mesmas por parte das sucessivas direcções e talvez um pouco pela falta de pertinência e da repetição das mesmas actividades ano após ano.
Em relação às eleições, este ano verificou-se um aumento da participação, apesar de, mesmo assim, a participação ter estado abaixo do desejado. Esta abstenção poderia ser amortizada se houvesse um maior interesse em torno da associação, e, se em vez de uma lista se candidatassem várias. De certeza que a afluência à(s) urna(s) seria maior.
Quanto ao comentário anónimo que diz que a actual lista mais parece um grupo de amigos que se juntou para a ocasião... sempre coloca o benefício da dúvida, podendo ter dispensado a comparação com o actual (des)governo...

JAMC

 
At 31 dezembro, 2004 11:30, Anonymous Anónimo said...

Directa ou inderectamente já vi aqui as pessoas da AEDUM serem chamadas de "parasitas", e agora vêm acusar a actual direcção de ser apenas um grupo de amigos...mas porquê tantas criticas a alguém que ainda agora tomou posse?Se tinham tantos reparos a fazer porque é que quando eu fui votar para a direcção da AEDUM no inicio de Dezembro só havia lá um "quadradro" com apenas um nome que era a lista A?Tanta critica devia dar lugar à apresentação duma lista, ou não?lista essa que iria aumentar de certeza a adesão às urnas...Ou será que estes que tanto criticam são daqueles que falam falam, falam falam e não fazem nada...
Quanto à adesão às urnas efectivamente esta não foi grande, mas mesmo assim foi aproximadamente o dobro do ano anterior, o que demonstra que "se calhar" a AEDUM está a progredir e não a regredir!
Eu acredito que o associativismo ganha muito com a discussão de ideias,que devem envolver criticas, porque só assim a nossa Associação poderá crescer! No entanto essas criticas devem ser construtivas e fundamentadas, ao contrário das que eu tenho visto aqui...
Pensem nisso...
MR

 
At 31 dezembro, 2004 19:16, Blogger AgoraEu said...

Curioso! Tanta indignação contra as críticas que classificam de destrutivas.
JAMC e MR vêm em defesa (em causa própria?!) do associativismo, do interesse na pluralidade de candidaturas e da legitimidade - INQUESTIONÁVEL - do acto eleitoral da AEDUM.
O que está em causa quanto "ao conjunto de amigos" - Anonymous dixit - são os propósitos dos eleitos e a sua capacidade de mobilização.
O que se propõem fazer? Objectivamente...
O que fizeram pela pluralidade de candidaturas?
Melhor, o que não fizeram para a conseguir?
Que medos ocultava a sua estratégia?
Quanto à capacidade de mobilização aferida pelos resultados dos votos válidos obtém-se pela relação directa entre esses resultados e o número de integrantes na lista.
Discutir a crítica pela crítica não faz sentido.
Se estão seguros da "dama" que defendem então coloquem à discussão o que tão apaixonadamente defendem.
Estamos cá para isso!
Tão simplesmente.

 
At 03 janeiro, 2005 15:56, Anonymous Anónimo said...

Fico deveras impressionado com tamanha preocupação... Uns com pedras na mão outroa a defenderam arduamente os seus cargos... Deixem q este caloiro Gnu dÊ um conselho infantil... Não deviamos nós lutar pelo mesmo objectivo, deixar os ataques, que a mim me parecem pessoais e sem nexo, e lutar pelo mesmo?? Bom ano... Ip Ip Ip

 
At 05 janeiro, 2005 21:32, Anonymous Anónimo said...

Caros visitantes:
Já me pude aperceber da celeuma levantada pelos comentários de "Pizuni" e de "CM". Li os comentários pró, li os comentários contra. E, se não se importam (se se importarem, têm o mesmo remédio da televisão: mudam de canal), chamemos os bois pelos nomes. Os comentários são fruto de quem chegou, gostou, não gostou, e respondeu. Notória é a falta de ponderação nas palavras. Estas, assumidamente contundentes, são contudo ponderadas, e não, não ficam pedidas desculpas.
Para começar, o comentário de Pizuni é salutar e, até, indispensável para enriquecer um blog como este. Só um pequeno reparo: nos elogios às iniciativas da AAUM, nem isso devia ter sido inteiros elogios, pois muitos fazem-no no próprio interesse, ou para sacar uma bebidas para os seus próprios bares, ou para se armarem em porteiros, ou para engatarem umas miúdas levando-as aos bastidores fumar um charro com um qualquer que venha actuar ao Enterro, ou então dando-lhe condições vip na Gata nos Cascos-de-rolha. Como? Conheço casos, acreditem. Alguns de vocês também. De resto, muitos parabéns, Pizuni.

Quanto a CM, que já foi crucificado e beatificado, tenho a dizer que todas as direcções da AEDUM são compostas, nos seus departamentos, por 1 director e 4 vogais. E aqui começam os problemas: de facto, é exagerado. Local próprio para tratar o assunto: Assembleia Geral (AG) da nossa AEDUM. Problema II: não podemos. O nosso curso é fértil em linchamento público de quem tente abrir a porra do bico contra a manada que se dispõe a falar para a plateia: são AG's, são marcações de exames, são (espantem-se, alguns de vós) marcações de uma miserável aula de dúvidas. Conselho meu, não abram o bico ("Tenho de levar a Fifi ao veterinário, nesse dia não posso"; "Os de fora que aguentem, eles é k escolheram esta universidade"; "Os k têm cadeiras em atraso k estudassem" são casos típicos). Daí estarem Pizuni, CM, JAMC, MR, AgoraEu e eu também a discutir aqui o assunto: liberdade de expressão no seu estado puro, sob o manto do Anonymous.
Eu, aparentemente ao contrário das individualidades aqui intervenientes, já fiz parte da Direcção da AEDUM e sei, por experiência própria, quem dá a vida pela Associação e pelos colegas. E quem trabalha. E quem às vezes tenta dar um contributo. E quem se está miseravelmente nas tintas para a Associação e mais ainda para essa cambada de massas moles chamada colegas, outrora chamada de "caros colegas eleitores".
Não crucificando nenhuma das direcções da história da AEDUM, muito menos uma k só agora iniciou funções, sei k o trabalho de todas elas deixa a desejar - excepto o de uma DA QUAL NÃO FIZ PARTE k aplaudo mas guardo só para mim - e que todos interessam na hora de formar lista porque tem muitos amigos e podem votar e k depois são postos de lado e os que não o são deixam de se interessar pela AEDUM.
Como antigo membro da Direcção da AEDUM e como sócio e como aluno do Curso, lamento, mas é mesmo assim. Somos um Curso de grupos (grupinhos), de amigos, de facadas nas costas, de sorrisos pela frente e do Salve-se Quem Puder.

Todos sabemos do caciquismo, todos sabemos da futilidade de muitos candidatos a vogais de Departamentos de Resolução de Conflitos Com O Número de Cabelos Brancos, e é fácil ver, no dia-a-dia, quantos estão na sede da Associação: não ultrapassa o número de 3. E não é por turnos: sempre os mesmos 3 desgraçados!

Divirtam-se a crucificar os meus comentários e os anteriores. Quando acabarem o recreio, pensem em como podemos todos ser úteis à AEDUM. Podemos sim. Eu tentei ser. Quanto à AAUM, todos sabemos k já não há remédio...

 
At 06 janeiro, 2005 16:18, Blogger AgoraEu said...

"Divirtam-se a crucificar os meus comentários e os anteriores. Quando acabarem o recreio, pensem em como podemos todos ser úteis à AEDUM. Podemos sim. Eu tentei ser. Quanto à AAUM, todos sabemos k já não há remédio..." - Anonymus dixit.

Tinha decidido encerrar a minha participação neste post mas (intervalo no estudo!!) não resisti. Passei, li e tenho de voltar.
Não se pretende crucificar ninguém!
As pessoas são pessoas e como tal têm todo o meu respeito. As atitudes, essas, não deixo passar em claro e, se se justificar, reprovo-as.
A questão é que a maior parte dos estudantes ainda não abandonou o recreio e ainda não percebeu que vamos ter de enfrentar - TODOS - a "SELVA" (o mercado!).
Um espaço como este permite levar à discussão os temas que não se ousa discutir na UM. A bem do futuro!
É também uma forma de demonstrar que TODOS podemos ser úteis.
Sabem que podem contar comigo.

 
At 06 janeiro, 2005 17:33, Anonymous Anónimo said...

Caro AgoraEu:
é claro que não se pretende AQUI crucificar ninguém, só k, tal como narro no meu 'post', "O nosso curso é fértil em linchamento público de quem tente abrir a porra do bico contra a manada que se dispõe a falar para a plateia". Por isso é que disse k podia esperar crucificação pelo que disse. Não me 'queixei', temendo. Longe disso.
Quanto ao facto de dizeres k tinhas dado a tua palavra como encerrada neste tema, peço-te e aproveito k o espaço é público para pedir a todos: NÃO O FAÇAM! Os blogs servem para comentar, discutir, levantar questões, levantar polémicas. O termo 'post' não implica pegar num 'pionnais' e colar a folha na parede para todos lerem. Não é atirar barro à parede esperando k não caia ao chão antes de secar... Um 'post' é barro atirado à parede à espera que os outros venham com as suas próprias mãos moldá-lo. Assim interpretei os teus 'posts' (como um mote para discussão e para o trabalho) e devem os meus ser interpretados.

Só mais uma coisa, "AgoraEu". Dizes: "Tinha decidido encerrar a minha participação neste post mas (intervalo no estudo!!) não resisti.". Tem cuidado. À quantidade de pessoas no nosso curso que realmente estudam (e eu não devo ser um deles...!) se dizes k estiveste a estudar e k fizeste um intervalo, descobrem rapidamente quem és! Aliás, eu já tenho uma ideia... É preferível (como eu) dizer k n se tem andado a estudar k esse universo é tão grande k descobrem-me como a agulha no palheiro!

Ass.: (o doravante conhecido como) Anonymous da Treta

 

Enviar um comentário

<< Home