03 novembro 2006

IVG - sim ou não?

Sendo um tema recorrente nas tertúlias e conferências da UM fica-me sempre a sensação de algum modismo na abordagem quanto ao sentido e à oportunidade da discussão.
Emitem-se alguns "achismos" de circunstância mas, no final, NADA!
A propósito do referendo que se aproxima, alguns blogs têm produzido textos e declarações interessantes.
No Filtragens, JMS faz esta declaração. Porque discordo do modo e do conteúdo da dita, produzi este comentário:

"Coloquemos a questão a um outro nível:
1 - Ele é finalista de Direito;
2 - Ela está no 3º ano de Direito;
3 - Namoram e (apesar de tudo!) ela engravida.
A relação não é suficientemente consistente para abarcar planos de casamento (ou de outro tipo!).
Dilema: interromper ou não?
É nestas circunstâncias que é colocada em causa toda a estrutura moral da nossa formação.
Se a decisão pender para a não viabilidade imediata de uma futura relação a resposta ao problema será a interrupção.
E ninguém (ou nenhum dos dois) questionará se é crime ou não. Tomam a decisão e vão em frente colocando-se perante um outro dilema que é o de saber onde o vão fazer e com que grau de segurança para a mulher.
O que está em jogo neste referendo é saber se vamos criminalizar ou não este acto!
Quem tiver certezas que "atire a primeira pedra". Se não as tiver então não terá o direito de condenar quem quer que faça essa opção.
Não confundamos convicções (de moral ou de religião) com as certezas que a ciência ainda não deu!
Sim pelo referendo.
Eu vou lá estar."

Registo, com curiosidade, que poucos se arriscam a avançar com clareza sobre o assunto!

JL

4 Comments:

At 04 novembro, 2006 13:06, Anonymous Anónimo said...

Peço desculpa por utilizar este espaço sem ser com o objectivo de comentar o texto, mas penso que tenho de dizer o seguinte: li, neste blog, que ser de Direito é ser diferente, mas aquilo que tenho constatado são insultos a todos aqueles que opinam sobre os textos através de comentários e nada é feito para o evitar.
Assim, não sei onde estará a diferença.

Maria Filomena

 
At 04 novembro, 2006 15:28, Anonymous jl said...

Minha Cara Maria Filomena,
(deixe-me tratá-la assim!)

O conteúdo dos textos que, de forma despretensiosa, vamos produzindo e editando vincula apenas cada um dos seus autores.
Estes estão claramente identificados, assumem-se com a coerência própria de quem tem opinião e está sempre disponível para discutir o seu ponto de vista.
O anonimato acarreta o risco de trazer à discussão o insulto soez.
Porque somos defensores da liberdade de expressão não estabelecemos quaisquer limitações nem fazemos "leitura prévia" dos "comments" que nos são enviados.
Numa sociedade onde os cidadãos se querem afirmar livres acreditamos que o tempo é o melhor fiel na balança da vida e das coisas.
Porque continuo a acreditar:

"Ser de Direito é ser diferente!"

 
At 05 novembro, 2006 14:33, Anonymous Anónimo said...

Acho que ninguem pode dizer que é a favor do aborto. O que realmente se trata aqui é da sua despenalizaçao. Ninguem que o faz ou acredito que pelo menos a grande grande maioria nao o faz de animo leve, nao é uma escolha facil de certeza. Trata se de dar condiçoes a quem por uma centena de motivos ou apenas por um opta pela interrupçao.Nao nos cabe a nos julgar os motivos de outrem. Cabe nos a nos cidadaos de uma sociedade que se diz moderna, de um pais que quer estar entre os primeiros nao nos conderam mos a viver para sempre na escuridao de falsos moralismos que nao nos tem levado a lado nenhum. Vejam as estatisticas. Quantas mulheres perdem a vida ao tentarem a IVG feita por oportunistas que se aproveitam da fragilidade da situaçao e da hipocrisia do pais? e quantas, ora pensem so um bocado, quantas nao devem viver assombradas com um tal dia que por desespero tiveram que tomar essa decisao que sinceramente quero crer que nunca é de animo leve e se sentem apontadas a dedo. Eu la estarei no dia do referendo! espero que a sociedade nao fique parada com a desculpa de que nesse dia esteve um bom dia de praia, ou ate choveu muito para se sair de casa e ir votar! Va mexam se ! votem! Vamos mudar isto. Chega de hipocrisia! É uma realidade! existe! Nao vamos fechar os olhos...!

 
At 07 novembro, 2006 02:04, Anonymous AP said...

Concordo plenamente com o discurso do anónimo.
E penso que mesmo os que são do "Não" tambem concordam com a parte "espero que a sociedade nao fique parada com a desculpa de que nesse dia esteve um bom dia de praia, ou ate choveu muito para se sair de casa e ir votar!"

É uma grande verdade, as pessoas querem ter "voto na matéria", mas poucas são as vezes em que aproveitam para o fazer, quando lhes é dada a oportunidade.

Apenas penso que por vezes as discussões sobre os assuntos referendados são mal dirigidas e muito mal explicadas para um simples português com menor formação, que muitas vezes se deixa levar com maior facilidade por discursos entusiasticos de pura "lavagem ao cérebro".

(Quanto à minha opinião sobre o assunto, também a deixei no vosso blog amigo Filtragens)

Votem, com consciência e, informando-se sobre no que realmente vao votar!

 

Enviar um comentário

<< Home