01 dezembro 2004

A esquerda

A dissolução da A R parece-me um acto precipitado, desesperado e irresponsável, que reflecte a qualidades “minguantes” do nosso PR.

Mas o que me suscita alguma incompreensão ( mas não admiração), é a alegria irresponsável da esquerda perturbadora sem ideias e com um discurso eloquente mas despido de conteúdos, sem ideias nem projectos para um Portugal MELHOR. Esta esquerda, parece pouco preocupada com a estabilidade do país, com as implicações que tal instabilidade pode causar no investimento estrangeiro, na confiança dos portugueses, e na própria credibilidade democracia e das instituições.

Temos uma esquerda que se diverte a inflamar questões laterais,( caso Marcelo/Gomes da Silva, o caso da sesta etc. etc. etc.) e nunca foi capaz de criticar o governo nas questões de fundo... a nova lei do arrendamento... ou o levantamento do sigilo bancário... o Orçamento de Estado ( talvez porque neste campo teriam de elogiar o governo)

No fundo este Governo cai não por questões verdadeiramente políticas mas porque não foi capaz de lidar com as “politiquices” nem com amadores como Henrique Chaves ou asnos com Gomes da Silva.


SaMyRoad99

6 Comments:

At 02 dezembro, 2004 16:47, Blogger Casino da ELSA said...

Meu caro amigo, quando se alimentam os amigos em vez de dar de comer a quem tem fome (competentes), quando se dá voz e alarde à comunicação social, em vez de se preocupar com as políticas, sua definição e própria competência do seu executivo, quando se faz tudo menos política, não sei qual a cabeça que quereria no cadafalso se do P.R.(cuja atitude era esperada e de todo aceitável) ou do P.M. com desculpas (à português) e desnorte só são comparáveis a um qualquer estado ébrio.

PSB

 
At 04 dezembro, 2004 18:56, Blogger Apletree said...

Oh meu caro Samy: decida-se! Há algum tempo atrás postou (todo lampeiro) que "o melhor político português" estava de volta e (imagine-se) para bater neste governo: sim quando ele fala de políticos incompetentes refere-se a Santana e a muitos outros que o rodeiam; agora que o P.R. decide dissolver o Parlamento o Samy indigna-se com a (putativa) atitude precipitada de Sampaio.
Samy não gosta de Santana, isso percebe-se; mas Samy é do PSD, e então encontra-se num dilema existêncial: "Eu não posso com Santana mas não posso dizer mal do governo, e muito menos desejar a sua queda, afinal trata-se do meu partido. Talvez seja melhor aguentar assim: vou dando umas paulitadas no Santana, para disfarçar, mas o que importa é que estamos no Poder".
Acabe-se de vez com esta instabilidade: façam-se eleições, comparem-se programas eleitorais. Quem ganhar sairá muito mais reforçado e com uma maior legitimidade democrática.
Esta decisão de Sampaio foi uma decisão pela estabilidade: a pensar no País e não nos interesses partidários.

 
At 08 dezembro, 2004 18:32, Blogger O Pi@d@s said...

Já que falas em asnos, isso faz-me pensar que na tua casinha não deve haver espelhos...
Se tivesses vergonha, e fosses minimamente inteligente, dar-te-ias conta do vómito que acabaste de escrever. Pura diarreia mental de mais um mentecapto que dentro de anos - ou meses - será mais um dos artolas a exigir que o/a tratem por doutor(a). Mas o mais chocante é mesmo a tua falta de capacidade crítica (leia-se inteligencia).
Estavas tão bem a aquecer os joanetes à fogueira...

 
At 09 dezembro, 2004 02:13, Anonymous Anónimo said...

Meu caro Pi@d@s,

De facto o seu, cómico, nome é profundamente coerente com o seu desditoso comentário.

Violência das minha palavras provocou em sim uma flagrante indignação, por isso desculpo-lhe a forma ignóbil como se dirigiu a minha pessoa...

Mas o que suscita em mim uma profunda consternação, é o facto de V.Ex.a, não conseguir no seu articulado atacar a minha posta, sem recorrer ao ataque pessoal, completamente desprovido de argumentos políticos...

Não quero, senhor Pi@d@s, de forma alguma ridicularizá-lo, embora léxico deplorável seu comentário o exigi-se, nem desejo por em causa a sua honra e inteligência, embora ela esteja ausente nas suas palavras. Quero é recomendar-lhe vivamente a leitura do livro “ O Caminho para a Servidão” de Hayek, e entenderá, então, algumas das razoes da minha critica á actuação da esquerda no panorama politico...

Não quero, no entanto, despedir-me sem antes agradecer a sua passagem pelo nosso casino, garanto-lhe que será sempre bem vindo

Com os melhores cumprimentos,

SaMyRoad99

 
At 09 dezembro, 2004 02:16, Anonymous Anónimo said...

Meu caro Pi@d@s,

De facto o seu, cómico, nome é profundamente coerente com o seu desditoso comentário.

Violência das minha palavras provocou em sim uma flagrante indignação, por isso desculpo-lhe a forma ignóbil como se dirigiu a minha pessoa...

Mas o que suscita em mim uma profunda consternação, é o facto de V.Ex.a, não conseguir no seu articulado atacar a minha posta, sem recorrer ao ataque pessoal, completamente desprovido de argumentos políticos...

Não quero, senhor Pi@d@s, de forma alguma ridicularizá-lo, embora léxico deplorável seu comentário o exigi-se, nem desejo por em causa a sua honra e inteligência, embora ela esteja ausente nas suas palavras. Quero é recomendar-lhe vivamente a leitura do livro “ O Caminho para a Servidão” de Hayek, e entenderá, então, algumas das razoes da minha critica á actuação da esquerda no panorama politico...

Não quero, no entanto, despedir-me sem antes agradecer a sua passagem pelo nosso casino, garanto-lhe que será sempre bem vindo

Com os melhores cumprimentos,

SaMyRoad99

 
At 05 janeiro, 2005 17:48, Anonymous Anónimo said...

Irreflectido, Precipitado? Diria mais muito bem pensado e bem jogado, pois porque não reflectir àcerca da não convocação de eleições aquando da partida do primeiro a caminho de, «couve», Bruxelas? Não seria pelas qualidades pouco convincentes, de união duma força politica, do líder da altura do principal partido da oposição? Não estivessemos nós a falar do fraco Ferro! A melhor atitude seria esperar pela presumivel demissão do mesmo que confunde as pessoas com o cargo que ocupa e se borrou logo quando a decisão do PR! Em cheio a decisão foi ao encontro do esperado... O Ferro derreteu, com a onda de calor que se reuniu à volta do tão esperado filósofo. Há chama! há que agora deitar achas pra fogueira a ver se o da figueira vacilava nos labirintos da comunicação social... Foi uma real tudo se encaminhava com os propósitos do presidente. É chegada a altura da dissolução, uma coisa é certa: É legal! O Governo demite-se, se bem fundamentada ou não é uma questão que dá pano para mangas mas uma coisa é certa o que são quatro meses para averiguar dos frutos das sementes em potência? Quando houve situações idênticas que se prolongaram por anos, mesmo não se falando do tão enorme que se estava a criar o monstro - seria o adamastor?. Para as dúvidas da analogia das situações, acresce ainda mais a gravidade de no passado não haver maioria parlamentar, claro é que se salvaguarda a confraria dos Limianos, mas é como diz o outro quem não chora não mama! Especulando pela troca de cores partidárias no actual teatro de politica é muito provável que no caso de ser um partido de esquerda a ser dissolvido por um Presidente de direita o argumento da esquerda não seria outro que não - Os cravos murcharam! Ditadura.
Por estas e por outras que o acto dissolutivo do PR nunca foi tão premeditato, repensado e repensado valendo o ditado «Lass Dir Zeit». É esperar pelo confronto dos pesos pesados em que de um lado arde de tanta chama concentrada e do outro o esquentar de dispersão de «facadas nas costas»!

Rosa despertar ^

 

Enviar um comentário

<< Home